segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Rua 25 de abril

Para leitura, CLICAR AQUI
BRAGA: superfície comercial na rua 25 Abril - finalmente há um jornal que dá conta do que se passa nesta rua, ameaçada com a construção de um "continente bom dia". Um movimento de cidadãos tem lutado com todas as suas forças contra uma enorme aberração que a câmara municipal governada por uma maioria de direita não só consente como parece incentivar. Na sequência de uma providência cautelar e de uma acção popular contra a "ilegalidade" o tribunal ordenou o embargo da obra quase na véspera da inauguração. O caso arrasta-se há largos meses, mas nunca qualquer jornal escreveu uma linha sobre o assunto, por razões óbvias. Até que no dia 21 Out, o título que seria mais improvável que tal fizesse finalmente abordou o tema quente. 

quinta-feira, 15 de junho de 2017

JOIN 17

JOIN 17 - uma iniciativa, na UM, que tem em vista divulgar oportunidades de trabalho a jovem licenciados. Numa área em que é elevado a procura e reduzido o número de candidatos.
PARA LEITURA - CLICAR AQUI

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Médicos de Família

Um problema de saúde pública em que Portugal se destaca pela negativa.
Ansiedade? Insónia? Qual o motivo?
A solução mais fácil nem sempre é a melhor.

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Em Defesa da Rua 25 de Abril - José Miguel Braga

Em Defesa da Rua 25 de Abril
intervenção de José Miguel Braga no período do público da Assembleia Municipal de Braga de 17/02/2017

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Em Defesa da Rua 25 de Abril - Luís Tarroso Gomes

Em Defesa da Rua 25 de Abril
intervenção de Luís Tarroso Gomes no período do público da Assembleia Municipal de Braga de 17/02/2017

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Património Industrial_Confiança

Não sendo Braga uma cidade de matriz industrial, é certo que era na Freguesia de S. Victor que se situavam as maiores indústrias, nomeadamente ligadas à produção de chapéus ou sabonetes.
A Fábricas "Taxa", "Industrial" e a "Social Bracarense" marcaram, de forma vincada, o panorama económico da cidade, alavancando a sua actividade no sector dos chapéus. 
Em 1894, Rosalvo da Silva Almeida e Manuel dos Santos Pereira fundaram a Saboaria e Perfumaria Confiança, projectando o nome da cidade de Braga por todo o mundo.
Actualmente, apesar de devoluto, este imóvel assume as características de património, por ser o último testemunho de uma arquitectura industrial, que foi desaparecendo.
O décimo primeiro episódio de "S. Victor de Portas Abertas", desvenda a localização das Fábricas desaparecidas e debruça-se sobre a História da Saboaria e Perfumaria Confiança.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Superfície comercial na rua 25 de abril - hiper mercado

Exmº s Senhores
Presidente da Câmara Municipal de Braga
Vereador responsável pelo Urbanismo
Vereador responsável pelo Trânsito
Vereador responsável  pelo Ambiente

No grupo Fórum Cidadania Braga (FCB), no facebook, são várias as pessoas que questionam a construção de uma superfície comercial do grupo Continente, na rua 25 de Abril, no terreno das Oficinas de S. José, e estranham medidas adotadas até ao momento. Sendo o FCB um espaço virtual de debate, achamos por bem passar as questões para o plano formal e solicitar esclarecimentos ao Executivo Municipal, nomeadamente:
·         A entrada para o parque de estacionamento, agora também disponível na Rua 31 de Janeiro (conforme revelam as imagens anexas), está autorizada pelo Executivo Municipal? Vai ser definitiva?
·         Por onde será, no futuro, a entrada de serviço para abastecimento do hipermercado?
·         Vai ser construído outro parque de estacionamento para além do que lá existe atualmente?
·         As árvores abatidas apresentavam problemas de segurança ou problemas de natureza vegetal? O abate foi permitido? Vão ser plantadas novas árvores ?
·         As intervenções previstas vão permitir  a infiltração de água da chuva e evitar a impermeabilização do solo?

Para além das questões colocadas, de natureza prática e que dizem respeito a funcionalidades que preocupam os moradores e as famílias que levam os seus filhos às quatro escolas que se encontram na  proximidade do futuro hipermercado, há mais duas questões, estas relativas a gestão urbana, que colocamos também:

·         Braga optou por localizar hipermercados no centro da cidade, ao contrário do que acontece noutros países da Europa, por algum motivo de natureza urbanística? Qual?
·         Foi realizado estudo do trânsito que circula nas imediações da escola EB1 de S. Lázaro, Escola Secundária D. Maria II, Escola Secundária Carlos Amarante e EB1 de S. Victor?
·         Há garantias que este hipermercado não irá afetar a circulação nas ruas  de acesso a estas escolas, não terá impacto no cumprimento dos horários escolares e, também, dos adultos/trabalhadores que levam os seus filhos a estas escolas?
·         Há garantias de que o trânsito resultante da localização do hipermercado nesta zona central da cidade não terá impacto em termos climáticos, a nível local?


Desde já agradecemos a resposta às questões colocadas.
Com os nossos melhores cumprimentos,
Os Adm. do
FÓRUM CIDADANIA BRAGA

IMPRENSA LOCAL

IMPRENSA LOCAL
Por que motivo é muito raro vermos, no DM e no CM, estudos jornalísticos sobre problemáticas locais? Qual a percentagem de notícias de propaganda política, empresarial ou futebol, e a de assuntos que, realmente, preocupam ou afetam a população?
O que pensam os bracarenses sobre o papel da imprensa local na vida pública?
A denúncia feita por vários jornalistas, no Congresso de Jornalistas, é preocupante. 
Qual será a situação cá por Braga?
No terceiro dia do Congresso dos Jornalistas, que termina hoje em Lisboa, foram…